03/01/2022

Retrospectiva 2021: confira os principais acontecimentos que impactaram a Economia

No ano em que a economia brasileira teve de se recuperar do tombo de 2020, por conta do choque global que foi causado pela pandemia do novo coronavírus. Apesar disso, o ano de 2021 não foi de calmaria. Relembre os principais acontecimentos que impactaram a Economia.
Com uma espécie de ressaca de uma grande recessão no ano anterior, os países do mundo inteiro tiveram que lidar com quebras de cadeias produtivas e choques de preços que, no Brasil, foram impulsionados ainda por instabilidades e uma das piores crises hídricas das últimas décadas.
Inflação e juros

Após a inflação e os juros afundarem, alcançando os menores níveis da história do país, no auge da pandemia em 2020, os dois acabaram o ano de 2021 subindo rápido e tendo uma queda mais rápida ainda.

Além de ser pressionado por um dólar persistentemente alto e pelos preços de produtos que não pararam mais de subir, como combustíveis, conta de luz e alimentos, o IPCA, indicador oficial de preços, bateu os 10,8% em 12 meses em novembro, no maior nível desde 2003.No mês de maio de 2020, ele tinha chegado a despencar para apenas 1,9%.

Sendo forçado pela aceleração rápida dos preços, os juros também tiveram que subir rápido. Depois de chegar à mínima histórica de 2% no ano passado, a Selic, taxa básica do país, teve que ser reajustada rapidamente pelo Banco Central neste ano.

A taxa já teve uma alta de 2% de fevereiro para 9,25% em dezembro. Já para o começo de 2022, os economistas dão como certo que ela passa dos 10% ou mesmo dos 11%, retomando os níveis de 2017.
Desde o ano de 2003,quando o país passou um dos maiores choques cambiais, os juros não tiveram uma alta tão rápida.

Aumento na gasolina e botijão de gás

O preço do barril do petróleo chegando a subir mais de 60% no mundo todo desde o começo do ano de 2021. Batendo os maiores valores em diversos anos, foi difícil não ver os custos dos seus derivados disparando, principalmente no Brasil.

E o peso dos reajustes foi aumentando cada vez mais por conta da cotação do dólar,  a moeda em que o petróleo é negociado internacionalmente e que no país ficou em alta ao longo de todo ano.

O litro da gasolina nos postos de todo país bateu recordes e em algumas regiões chegou a custar R$7. O botijão de gás de cozinha de 13kg também sofreu aumento,saindo dos R$100 e acabou chegando em R$140, em alguns estados do país.

Por conta da alta nos preços, o governo e a Petrobras criaram programas como auxílio-gás para as famílias em situação de pobreza e extrema pobreza no país.

O refino do petróleo em seus diversos subprodutos é quase que monopolizado pela Petrobras, desde o ano de 2016, que adota uma política pela qual repassa de forma integral para os seus produtos as variações dos preços internacionais, medidos por conta das cotações do barril e do dólar.