09/08/2016

Atividade do comércio registra retração no período de férias escolares, aponta Serasa Experian

De acordo com o Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio, julho de 2016 entra para a história com a pior retração de toda a série, na comparação interanual com julho de 2015. No desempenho comparativo entre janeiro a julho/2016 e igual período de 2015, o indicador manteve-se também em patamar histórico de retração nas atividades do comércio.

De acordo com os economistas da Serasa Experian, uma combinação de fatores críticos às vendas do comércio tem mantido a atividade varejista estagnada, entre elas: o baixo nível de confiança do consumidor; a manutenção da elevada taxa de desemprego; as condições restritivas do crediário, derivadas da inadimplência e alta do crédito; e o aumento da inflação, principalmente dos alimentos.

Nas comparações interanuais, tanto acumulada (janeiro a julho 2016/2015), quanto mensal (julho16/julho15), a maior retração se deu no comércio de veículos, motos e peças; a segunda maior queda foi das lojas comércio de tecidos, vestuário, calçados e acessórios; seguida pelas vendas de móveis, eletrodomésticos e informática.

Outras retrações, nesses períodos comparativos, ocorreram em supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas e nas lojas de material de construção. A exceção a esse comportamento de retração foi a venda de combustíveis e lubrificantes, que se manteve em crescimento nesses períodos.

Na comparação mensal, o comércio de tecidos, vestuário e calçados registrou a maior retração em julho/2016, quando comparado a junho/2016, na série ajustada sazonalmente (-1,3%), seguida pela retração nos supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas (-0,5%) e veículos, motos e peças (-0,3%). Em contrapartida, combustíveis e lubrificantes e materiais de construção registraram aumento de vendas em relação ao mês anterior.



Fonte: http://www.serasaexperian.com.br