12/04/2021

O futuro das finanças na era digital

A pandemia exigiu transformações em diversos setores das empresas. A digitalização, que já estava presente nos negócios, foi de fato potencializada com a chegada da pandemia no mundo. Estudos feitos pela IBM no final de 2020 em 20 países, mostram que seis em cada dez empresas aceleraram projetos de digitalização e mais da metade dos executivos (51%) deve prioriza-los no decorrer dos próximos anos.

Mesmo sabendo das necessidades de digitalização da área financeira, é preciso pensar além do óbvio, começando pela experiência dos usuários, sejam eles internos ou externos à companhia, como clientes e fornecedores, por exemplo. Os benefícios da digitalização passam também por questões de melhoria de controles, maior produtividade, redução de erros, facilidades de mensuração de indicadores de desempenho, redução de custos e possibilidade de dar foco em atividades de maior valor agregado ao negócio.

Outro ponto muito importante é a agilidade. Uma empresa digital tende a ser muito mais vencedora no mercado atual do que a empresa não digital. Entretanto, é necessário reconhecer que o processo de digitalização é uma jornada e que o resultado não simplesmente deve ser pautado no retorno financeiro, como redução de custos ou redução de pessoas. O processo de digitalização exige repensar a forma como as coisas estão sendo feitas atualmente e como obter retorno dessa iniciativa, mesmo sem a necessidade de investimentos em tecnologia.

E por falar em tecnologia, um dos grandes equívocos dos gestores é enxergar a tecnologia como a única solução para a digitalização dos negócios, deixando de lado outros aspectos muito mais importantes. A tecnologia é um fator habilitador para a digitalização, mas temos que entender que hoje ela é uma commoditie e que precisamos conhecer as múltiplas ferramentas disponíveis no mercado e saber a melhor forma de utiliza-las.

Claramente, a tecnologia pode acelerar esse processo. Contudo, é preciso analisar e melhorar o seu processo antes de aplicar tecnologia para não digitalizar o caos.  Isso implica em ter uma liderança engajada na transformação e na digitalização, ter uma cultura orientada para colaboração e com foco em melhoria contínua, saber aplicar as metodologias ágeis, testando, errando e melhorando mais rapidamente. Já foi o tempo que empresas gastavam milhões e muito tempo para implantar um ERP. Hoje há diversas soluções ao entorno do ERP que são complementares e evitam ter que investir em customizações caras, complexas e demoradas, por exemplo.